AçõesAnálise de investimentosAnálise de riscoAnálise fundamentalAplicativos financeirosAvaliação de empresasEconomia globalEducação financeiraEmpresasETFsFinanças pessoaisInvestimento em açõesInvestimentos

O apoio de BlackRock e State Street para os votos de ESG (Ambiental, Social e Governance) é moderado, no máximo, de acordo com a Morningstar.

Os três grandes gestores de ativos direcionados contra o movimento ESG não são particularmente conhecidos pelo seu apoio, ou ausência dele, a resoluções propostas por acionistas.

O relatório da Morningstar desta terça-feira mostrou que, nos últimos dois anos, o apoio médio aos votos de proxy entre as 20 principais empresas de fundos dos Estados Unidos foi de 59%. As taxas de votação de março de BlackRock, State Street e Vanguard foram de 55%, 60% e 23%, respectivamente, para 100 questões da ESG (Meio Ambiente, Social e Governança Corporativa) que a empresa de classificação e pesquisa considerou particularmente significativas.

Examinar as decisões de votação dos Big Three tem sido uma preocupação significativa, devido à sua influência nos mercados de ações americanos, de acordo com o relatório. Estas três empresas detinham 43% do mercado de fundos dos EUA, com US$ 10,3 trilhões em ativos em 30 de abril de 2023. A maior parte deste capital investido foi alocado em fundos passivos de US$ 8,9 trilhões.

Logo, apesar de não serem extremos nos votos relacionados ao ESG, exceto talvez quando se trata do apoio da Vanguard, a grande presença destas companhias no mercado tornou-as alvos.

Os políticos no Congresso e em alguns estados, com planos contra ESG, se apoiaram na influência das três companhias para apoiar medidas que evitariam que fundos de aposentadoria pública tenham em conta fatores de ESG.

Sem dúvida, a BlackRock tem experimentado pressão devido aos comentários anteriores de seu CEO Larry Fink sobre o capitalismo de stakeholders e responsabilidade corporativa. Todavia, as três empresas já lançaram iniciativas para permitir que os investidores de fundos tenham alguma influência sobre as ações em que votam por meio de proxies. Por exemplo, a Vanguard tomou a decisão de se juntar à Iniciativa Net Zero Asset Managers no ano passado, uma decisão que resultou no crescimento do impulso dos investidores e grupos ativistas conscientes do clima.

Leia Mais:   Nenhuma expansão do mercado de touros conseguirá remover a recessão da agenda.
Há pouco espaço disponível.

As 100 resoluções de acionistas da Morningstar examinadas abrangeram as empresas do S&P 100, acontecendo em 39 delas. Os votos dos acionistas independentes nos referendos foram de 40% a 85%, com uma média de 54%.

A maioria das propostas, 77%, estava relacionada a temas sociais. Dentre elas, 27 abordaram a influência política, 26 se referiram à igualdade de oportunidades no ambiente de trabalho, 13 versaram sobre os direitos humanos e o uso correto da tecnologia, enquanto 11 focaram nos direitos civis ou equidade racial. Além disso, 23 propostas focaram em questões ambientais, contendo 17 sobre as mudanças climáticas e os demais tratando da desflorestação, riscos de água e plásticos.

Organizações que foram impactadas por essas decisões incluem o Alphabet, a Amazon, a Apple, a Microsoft, a Meta, a Chevron, a ConocoPhillips, a Duke Energy, a Exxon Mobil, a Berkshire Hathaway, a JPMorgan Chase, a Goldman Sachs, a Altria Group, o Home Depot, a McDonald’s e a Tesla.

BlackRock, State e Vanguard, dos cem votos proxy, estiveram de acordo 31 vezes tanto para votar a favor como contra as propostas da Morningstar.

O relatório indica que o nível de apoio da Vanguard para medidas-chave é apenas a metade do que o BlackRock e State Street oferecem.

Meio ambiente, questões sociais e resultados financeiros

As companhias forneceram principalmente uma consistência de apoio aos requerimentos relacionados às questões sociais e ambientais. BlackRock votou a favor de 55% das propostas, enquanto State Street e Vanguard, respectivamente, concordaram com 60% e 27%. No que diz respeito ao meio ambiente, BlackRock deu o seu aval para 57%, State Street 61% e Vanguard 30%, segundo o informe.

Através de suas perguntas, a BlackRock era mais propensa a defender os direitos civis e a igualdade racial, demonstrando níveis moderados de apoio à influência política, às mudanças climáticas, à justiça no local de trabalho e a outros assuntos ambientais. Por outro lado, tinha pouco apoio aos direitos humanos e uso ético da tecnologia.

Leia Mais:   Um indivíduo negociando criptomoeda foi mantido com uma arma de fogo durante o primeiro roubo de Bitcoin no Reino Unido.

A State Street sustentou a maioria das propostas sobre direitos humanos e tecnologia ética, com uma postura mediana frente às demais questões. No entanto, a Vanguard se opôs à maioria, com exceção de justiça no local de trabalho e variação climática, para as quais expressou uma aprovação moderada, de acordo com o Morningstar.

A BlackRock foi a mais propensa a explicar seus motivos, tendo fornecido justificativas para 97 das 100 iniciativas de acionistas examinadas. A State Street respondeu por 45 resoluções, enquanto a Vanguard se reportou sobre suas escolhas em 28, de acordo com o relatório.

A compreensão crescente é imprescindível para auxiliar os investidores na avaliação do nível de acordo entre as decisões de um gestor e seus próprios interesses ambientais e sociais, de acordo com Lindsey Stewart, diretora de pesquisa de investimento da Morningstar e autora do relatório.

Mesmo quando empresas implementem seus programas de voto pass-through, isso se tornará ainda mais relevante, pois “milhões de investidores de fundos ainda confiarão em seu gestor para tomar decisões de voto para eles”, diz o relatório. “E se esses investidores aplicam seu capital em um fundo de alto propósito ecológico ou em um índice amplo, a demanda dos investidores por informações sobre como os votos de um gerente estão alinhados com suas próprias prioridades ambientais e sociais apenas aumentará”.

Back to top button