AçõesAnálise de investimentosFundos mútuosInvestimentos

Schwab reage ao ativismo dos investidores, aumentando a participação dos acionistas do fundo na votação por procuração.

A Schwab Asset Management está introduzindo um programa experimental que possibilita aos investidores financiarem para ter influência no processo de votação por procuração.

O lançamento, que no começo inclui três fundos e utiliza a tecnologia financeira da Broadridge Financial Solutions, é a abordagem mais próxima que os acionistas dos fundos tiveram para influenciar a maneira como os gestores de fundos votam em questões de procuração.

“Isso representa um avanço significativo, e Schwab provavelmente está bem posicionado para liderar essa iniciativa, já que acredito que a maioria dos investidores desses fundos tenha contas na Schwab”, comentou Dave Nadig, especialista em finanças do futuro na VettaFi.

Os especialistas da área estão elogiando as iniciativas inovadoras da Schwab para aumentar a participação dos acionistas na votação por procuração e no envolvimento com seus investimentos. No entanto, mesmo que o projeto piloto seja bem-sucedido, ele encontrará suas limitações.

“Realmente necessitamos de algo universal, porém há preocupações na Lei 40 em relação à obtenção de votos pura e simples”, afirmou Nadig. Ele observou que o atual sistema se resume a uma pesquisa de preferência entre os acionistas, sem garantias de que 10.000 ações terão mais influência do que uma única ação. Além disso, como essa votação é apenas uma etapa para a equipe decisória final, o critério interno utilizado permanece incerto.

Omar Aguilar, que atua como diretor executivo e diretor de investimento na Schwab Asset Management, explicou que o programa tem o objetivo de levar os acionistas a refletir sobre suas opiniões em relação a questões relevantes ligadas às empresas em que investem.

O processo de implementação incluirá o envio de pesquisas simples aos detentores de ações do Fundo de Índice Schwab 1000 (SNXFX), do Índice Schwab 1000 ETF (SCHK) e do Schwab Ariel ESG ETF (SAEF).

Leia Mais:   A Finra impôs uma penalidade de US$ 500.000 à TD Ameritrade por não ter revelado informações corretas sobre títulos chamáveis.

Os formulários de acompanhamento serão enviados uma vez por mês para obter opiniões dos novos acionistas.

“Aguilar explicou que não estamos acessando os proxies diretamente, estamos essencialmente entrevistando acionistas de fundos para entender suas opiniões sobre os problemas.”

Michael Tae, o líder da Broadridge responsável pelos fundos mútuos e soluções de aposentadoria, explicou que o programa foi desenvolvido em reação à crescente demanda por envolvimento dos acionistas. Ele destacou que essa tendência pode ser atribuída à disponibilidade de plataformas tecnológicas avançadas e à ampliação das opções para os investidores participarem ativamente.

Ele explicou que o objetivo é compreender a perspectiva dos acionistas em relação a assuntos como políticas específicas, a composição do conselho e questões relacionadas à ESG. No entanto, a responsabilidade final pela votação ainda será do Schwab.

Vivek Ramaswamy, criador da Strive Asset Management, elogia a Schwab por avançar na direção correta, porém ressalta que uma pesquisa está um pouco distante de uma votação.

Ele mencionou que não é apropriado realizar eleições por meio de pesquisas e sugeriu que a melhor solução seria permitir que os acionistas votassem em relação às suas próprias ações.

Reconhecendo as dificuldades logísticas de enviar uma grande quantidade de resoluções de acionistas e votos por procuração para milhares de acionistas, Ramaswamy expressou sua aprovação em relação ao que o programa de Schwab realiza.

O voto por procuração é apenas uma pequena parte do modo como os gestores de ativos impactam as empresas. A maior parte desse impacto ocorre por meio do diálogo com acionistas ou administração.

Nestas circunstâncias, o Strive Asset Management, liderado por Ramaswamy, está assumindo sua própria abordagem em relação à influência que os principais gestores de ativos têm sobre a votação por procuração, ao introduzir fundos que se comprometem a votar alinhados com um compromisso fiduciário com o retorno financeiro.

Leia Mais:   Metas do Grupo Anti-ESG do Banco da América

Eric Balchunas, especialista da Bloomberg Intelligence em fundos, caracterizou a iniciativa da Schwab como uma resposta satisfatória às inquietações em relação à representação dos acionistas e à centralização do poder de voto por procuração nas mãos de algumas poucas empresas de fundos que lideram o mercado.

“Ele expressou que há uma preocupação com a centralização de poder, o que, em sua opinião, é um ponto crucial e uma solução ideal.”

Entretanto, ainda pode existir uma diferença entre avaliar as preferências dos acionistas e tomar decisões durante a votação por procuração, conforme destacado por Balchunas.

“Segundo ele, as equipes de governança corporativa podem ser influenciadas por interesses políticos, com um pequeno grupo dominando as decisões e impondo suas próprias opiniões.”

Assim como em todo procedimento democrático, a participação dos eleitores também é um aspecto importante a ser considerado.

Os acionistas serão contatados por e-mail e cartões postais para acessar uma lista com aproximadamente doze questões que irão influenciar as decisões de voto das empresas de fundos. No entanto, segundo Ben Johnson, diretor de pesquisa global de ETFs na Morningstar, é provável que apenas os acionistas mais engajados se interessarão em participar da votação.

“O engajamento dos eleitores será crucial, porém cabe aos gestores de fundos a responsabilidade de votar em benefício dos acionistas”, afirmou. “Existe o risco de que os participantes não sejam uma amostra fiel dos acionistas do fundo.”

Balchunas concordou com essa ideia, indicando que votos elevados também poderiam revelar descobertas inesperadas.

De acordo com uma pesquisa realizada em 2020 pela Just Capital, o principal foco dos investidores nos Estados Unidos era garantir que as empresas remunerassem de forma justa seus funcionários, seguido de garantir o cumprimento dos direitos humanos em toda a cadeia de suprimentos e investir em capacitação da equipe. Em contrapartida, proteger a privacidade do cliente, tratar os clientes de maneira justa e priorizar a geração de valor para todas as partes interessadas eram questões consideradas menos importantes pelos investidores.

Leia Mais:   A Finra vê a necessidade de aumentar as exigências de liquidez para as corretoras.

No entanto, Johnson afirmou que, apesar de eventuais falhas, o programa piloto se assemelha a quando os acionistas do fundo já tiveram a oportunidade de influenciar as máquinas de votação por procuração.

Nate Geraci, presidente da Loja ETF, mencionou que a plataforma é mais uma demonstração de uma tecnologia de processamento que visa tornar o processo de votação por procuração mais acessível.

“Os principais administradores de ativos estão cada vez mais utilizando a energia da votação por procuração”, afirmou Geraci. Ele destacou que essa abordagem da Schwab é inovadora e pode ajudar a evitar críticas enfrentadas por outros grandes gestores de ativos acusados de promover agendas politicamente carregadas relacionadas ao ESG.

Back to top button