ETFs

State Street está aumentando a seleção de voto da proxy para ETFs.

State Street Global Advisors está ampliando de maneira significativa o seu programa de seleção de voto proxy, com um anúncio desta semana que se aplicará às ações institucionais dos seus fundos mútuos de índice e a alguns dos seus fundos negociados na bolsa.

Esta é a última inovação de um fenômeno relativamente novo, no qual os administradores de ativos fornecem informações aos acionistas de fundos sobre como seus votos são dirigidos nas reuniões anuais das empresas do portfólio. Esta tendência coincide com os esforços dos grupos conservadores e dos líderes republicanos para pressionar as instituições financeiras a adotarem critérios ambientais, sociais e de governança em suas decisões de investimento.

No ano anterior, BlackRock, State Street e Vanguard declararam normas de voto em ações que seriam operantes para um certo número de suas opções de investimento. Contudo, essas companhias expressaram que seus programas serão aplicáveis eventualmente para os investidores individuais.

A State Street agora dá aos seus clientes que têm contas gerenciadas separadamente, o controle de como suas ações são votadas. No final do ano passado, a política foi ampliada para certos fundos de patrimônio institucional nos EUA e no Reino Unido. A expansão para fundos mútuos adicionais e ativos ETF é uma novidade.

Yie-Hsin Hung, CEO da SSGA, revelou no anúncio da companhia que estavam fornecendo uma ferramenta poderosa para os indivíduos, dando-lhes a oportunidade de tomar a decisão sobre as ações que detêm, através da escolha entre um fundo ETF ou mútuo.

Os detentores de ações de fundos qualificados possuem várias opções de preferência de voto disponíveis pela State Street, informou. As escolhas são a ISS Benchmark, Sustentabilidade, Investimento Socialmente Responsável, Fundo Público Católico Baseado em Fé, Taft-Hartley e Alinhamento com Políticas, como informado pelo website da companhia.

Leia Mais:   A Finra vê a necessidade de aumentar as exigências de liquidez para as corretoras.

Até o fim de 2023, State Street anunciou que 80% dos “ativos patrimoniais elegíveis” serão regidos pela política.

Atacar a realidade?

Se a eficácia dessas novas políticas será afetada pelas críticas que os gerentes de ativos têm recebido dos republicanos ainda não está determinado. Muitos estados aprovaram leis e regulamentos contrários ao ESG, e alguns procuradores-gerais questionaram as empresas de serviços financeiros sobre suas políticas de investimento, engajamento e votação, bem como sobre suas ligações com grupos de zero emissões.

As grandes companhias não estão simplesmente adotando algumas, mas a maioria das solicitações dos acionistas em relação à ESG (sustentabilidade, ambiente e governança).

O Planet Tracker descobriu em um relatório recente que BlackRock, Vanguard e SSGA votaram contra medidas relacionadas à biodiversidade na grande maioria dos casos, aproximadamente 80%.

Dentre todos os intermediários financeiros, as ações de fundos com prioridade em tópicos de sustentabilidade ou ESG (sigla em inglês para “critérios ambientais, sociais e de governança”) são aprovadas em favor de propostas de biodiversidade 76% do tempo, mesmo que esses fundos sejam responsáveis por apenas 3% de todos os votos, de acordo com o relatório.

Planet Tracker descreveu que cerca de 20% dos fundos de sustentabilidade apresentaram votos contrários aos proxies voltados para a biodiversidade, o que levanta questões sobre se os acionistas estão sendo enganados.

A longa questão de como dar voz aos acionistas do fundo é abordada por meio das modernas políticas de voto proxy. No entanto, há dúvidas em relação à execução destes programas e se os gestores de ativos estão lidando com as críticas recebidas por parte dos grupos republicanos, afirmou Heidi Welsh, diretor executivo do Instituto de Investimentos Sustentáveis.

Leia Mais:   T. Rowe divulgou seus primeiros fundos negociados em bolsa (ETFs) que são ativos e transparentes.

Galês afirmou que há uma questão real em colocar fundos em fundos coletivos e, então, não ter direito ao voto. Por outro lado, ele considerou que isso parece uma estratégia de empresas de fundos. Assim, elas podem dizer: “As pessoas podem fazer o que quiserem”.

Ao olhar, é possível ver que existem programas de voto por procuração exclusivos para administradores de ativos e proprietários de ações individuais, o que mostra o progresso do investidor de escolher seu próprio voto.

Andy Behar, CEO da As You Sow, expressou que mudar votos para os acionistas é uma ótima iniciativa. Segundo ele, agora que a tecnologia está disponível, todos os administradores de recursos devem ser forçados a fazer uso dela.

No entanto, as opções da ISS para financiar os acionistas, que são favoráveis à ESG, são insuficientes no que diz respeito à sustentabilidade e à responsabilidade social, de acordo com Behar. Através do programa “Você Sow, Como Você Vota”, os votos de participação são muito mais frequentes contra os diretores e auditores do conselho e mais frequentemente em favor de resoluções ESG temáticas, disse ele.

Um elemento importante nos programas de seleção de gerentes de ativos é saber se os acionistas têm de selecionar preferências de voto – e se as posições de voto de uma empresa são o padrão, isso é a questão, observou Welsh.

Este ano, “as decisões estão todas na direção de” propostas de acionistas temáticas da ESG, que “discutiria em prol do enfraquecimento do desempenho de retorno de direitos”, declarou ela.

Todavia, algumas resoluções dos acionistas que se opõem ao ESG, como aquelas que negam a igualdade racial, também foram colocadas em votação neste ano. Contudo, essas propostas foram rejeitadas por grandes margens, obtendo apenas 3% dos votos a seu favor, observou Welsh.

Leia Mais:   Questões surgem com a aquisição de Putnam pela Franklin Templeton sobre se a administração de bens da "velha guarda" pode ser expandida.

Back to top button