AçõesAnálise fundamentalEducação financeiraEmpresasEstratégias de investimentoFinanças pessoaisInvestimento em açõesInvestimentos

Os conselheiros unem as mulheres em ascensão com suas comunidades.

À medida que a prosperidade se aproxima, as mulheres criam ligações sociais e um ambiente para compartilhar.

Amanda Millerberg declarou que tínhamos mais do que necessitávamos.

É um sonho que muitas pessoas têm. Spencer Millerberg, seu marido, desenvolveu, ampliou e, em 2016, vendeu uma empresa de análise de dados. Isso deu-lhes a oportunidade de se envolverem em filantropia. A família de sete anos anteriormente estava ligada a Igreja dos Santos dos Últimos Dias, mas logo se aperceberam que eles poderiam usar os recursos para financiar projetos de grande alcance além de oferendas e ministérios da igreja.

Como é que isso pode ser feito?

Não deu certo conseguir lucros. “Iniciei o financiamento localmente e logo ele se tornou muito intenso”, declarou Millerberg. “Eu sabia que queria trabalhar em nível mundial, mas não tinha a menor ideia de como fazer isso”.

Ela necessitava de um sistema de suporte, de treinamento e de um grupo de companheiras semelhantes, para que pudesse atuar estrategicamente. Através da Fidelidade, onde os Millerbergs criaram seu fundo aconselhado pelo doador, ela descobriu o Coletivo Maverick. Agora, Millerberg informou que ela está trabalhando com um pequeno grupo de mulheres com os mesmos ideais para assegurar que as prioridades de sua família estão sendo realizadas. Ela e dois outros membros do fundo conjunto realizaram um programa piloto na Guatemala e se deslocaram para compreender como eles podem trabalhar ao lado dos diretores de programas lá para alcançar seus objetivos comuns para a saúde e os direitos reprodutivos.

À medida que a significativa transmissão de bens começa a se desenrolar, as mulheres da geração X e dos Baby Boomers estão se dando conta de que são filantropos por direito próprio, e as mulheres de meia-idade estão procurando formas novas de doar. Ferramentas e agrupamentos emergentes estão fornecendo-lhes comunidade e conexão — duas forças que exaltam os gostos que as mulheres têm em relação ao desenvolvimento de suas carreiras.

Leia Mais:   Morgan Stanley afirma que o S&P 500 está prestes a adentrar o mercado de baixa.

Katie Collins, vice-presidente e diretor de Investimentos da Fiduciary Trust, observou que os membros da Geração X e as mulheres milenárias estão muito autoconfiantes quanto ao que têm a oferecer. Ela faz parte do conselho consultivo para a operação independente do financiador aconselhado pela empresa. “A conversa filantrópica está profundamente imbricada nos ideais deles,” acrescentou ela. “É um lugar único onde os conselheiros podem ouvir sobre o impacto que os clientes desejam ter no mundo. Mesmo aqueles que não possuem fundos suficientes para abrir uma fundação ou um DAF podem usar esses conhecimentos de uma forma interessante para se conectar com os seus clientes. Se for um casal, todos dois devem participar.”

Ela tem observado situações, Collins continuou, em que casais com pontos de vista muito diferentes sobre caridade “dividem o dinheiro e cada um usa de acordo com as suas crenças”. No passado, alguns conselheiros afirmaram que mulheres casadas frequentemente cediam às prioridades de caridade de seus maridos, só expressando a sua própria quando o cônjuge falecia.

Uma nova pesquisa anual realizada pela Nuveen corrobora a visão de Collins. O Nuveen Wealth Inheritor Research Study descobriu que 64% dos herdeiros que foram apresentados ao assessor financeiro de seus pais durante a adolescência mantiveram essa conexão, após a herança. Contudo, os beneficiários da riqueza podem querer serviços diferentes dos solicitados pelos seus pais: metade deseja “criar um legado financeiro” ou doar a caridade. Além disso, os herdeiros devem seguir buscando informações sobre investimento e doação de uma variedade de fontes, ao invés de confiar exclusivamente em seu assessor para orientação, o que reforça o papel do conselheiro como conector.

Leia Mais:   A plataforma iCapital oferece aos assessores a maneira mais fácil de acessar investimentos alternativos.

O Maverick Collective, fundado em 2013 pela Sra. Melinda French Gates, oferece três oportunidades para novas doações femininas, que podem variar desde US$ 50.000 até US$ 1 milhão e acima. Os doadores são convidados a escolher a causa e a comunidade que desejam apoiar, além de estabelecer um cronograma de projeto. A missão do coletivo é ajudar seus membros a compreender melhor seus valores e sua capacidade de influenciar positivamente o processo. Segundo Millerberg, a maior vantagem de seu envolvimento tem sido “o acesso global, ter um melhor entendimento e ponto vantajoso, e não sentir que estou sozinha”.

Rena Greifinger, gerente geral do Maverick Collective e Diretor de Filantropia Individual na Population Services International (PSI), declarou que o Coletivo Maverick opera sob o guarda-chuva da PSI, uma organização global de defesa da saúde.

Greifinger declarou que as mulheres relataram que a filantropia era “confusa e solitária”. Contudo, as comunidades criadas por Maverick através da “filantropia experiencial” levaram a parcerias entre os participantes para investir em novas empresas de propriedade feminina, aplicando capital de risco na área de alterações transformadoras sociais. Ao oferecer e financiar, ela disse, os membros da coletividade estão “usando seu capital social e intelectual para aprender como se tornar atores de mudança”.

Back to top button