Análise de investimentosEstratégias de investimentoInvestimentos

O conselho da indústria tende a preferir portfólios de modelos como uma maneira mais confiável de alcançar escala.

Conforme o gerenciamento de portfólio se torna mais padronizado, o emprego de portfólios de modelos é considerado a forma mais eficaz de expandir a escala corporativa com segurança.

Um recente relatório da Cerulli Associates destaca que a mudança para um modelo de serviço focado no planejamento está impulsionando a adoção de carteiras de modelos.

Segundo Brad Bruenell, analista associado na Cerulli, a principal força impulsionadora das carreiras de modelos é a habilidade de gerir o tempo de forma eficaz.

De acordo com suas estimativas, consultores que adaptam carteiras individualmente para cada cliente dedicam, em média, 29,5% do tempo para gerenciar investimentos.

Essas organizações utilizam técnicas avançadas para criar diferentes tipos de portfólios personalizados e dedicam, em média, 18,5% do tempo em atividades de administração de investimentos.

Brunell afirmou que o tempo economizado pode ser aproveitado em atividades voltadas para o cliente, o que é crucial para os conselheiros mais novos que estão concentrados em atrair investimentos e construir uma carteira de negócios.

Apesar de parecer ser uma estratégia inteligente limitar-se a abraçar modelos internos ou terceirizar a gestão de investimentos, de acordo com Vance Barse, fundador do Fiduciário Dedicado, a situação não é tão simples assim.

“Em termos de gestão de negócios, é lógico adotar uma abordagem de dimensionamento dos ativos, mas quando se trata de atender os clientes, acredito que os modelos padrão podem não ser a melhor opção para contas tributáveis, já que cada cliente possui um perfil fiscal único que deve ser considerado. Embora eu reconheça a dificuldade de conselheiros em expandir sem o uso de modelos de carteiras, a terceirização pode ser uma alternativa mais eficiente em termos de tempo e recursos. Muitos conselheiros optam por terceirizar, pois seu principal objetivo é aumentar os ativos sob gestão. Em resumo, é essencial que os conselheiros financeiros tenham um foco especial na gestão de contas tributáveis.”

Leia Mais:   A adoção de um investimento sustentável atrai clientes "ideais".

Tim Holsworth, o líder da AHP Financial, também acredita que há momentos e circunstâncias adequadas para a utilização de modelos de gestão de investimentos terceirizados.

“Ele mencionou que prefere criar portfólios personalizados utilizando ETFs e fundos mútuos, mas opta por gerenciadores separados ao investir em ações individuais. Ele enfatizou que recomenda essa abordagem para carteiras com um valor igual ou superior a $300.000, pois é importante destinar pelo menos $100.000 para cada gerente.”

Holsworth mencionou que os clientes costumam desembolsar aproximadamente 35 pontos-base para a conta de gestão individualizada.

“Ele afirmou que é mais eficaz, oferece maior atenção personalizada, resulta em um retorno global superior e não envolve preocupações com taxas ocultas, resgates e outras questões comuns em fundos de investimento.”

O relatório Cerulli identifica diferentes graus de externalização na administração de investimentos e carteiras de modelos internos.

Segundo Brunell, o uso adequado de portfólios de modelos pode melhorar a eficiência dos conselheiros e a variedade de serviços em práticas maduras de diferentes maneiras, de acordo com a escolha da prática. Ele acredita que essa tendência de uso de portfólios continuará crescendo entre os conselheiros, que buscam aprimorar seus serviços e se destacar no mercado.

Paul Schatz, líder da Heritage Capital, mencionou que há indicações de um aumento no emprego de carteiras de modelos e gestão de ativos terceirizada, porém ele não está totalmente convencido de que essa seja a única abordagem para atender aos clientes.

“A tendência está claramente avançando em direção à terceirização da gestão de portfólios, pois se tornou totalmente comoditizada”, explicou. “Embora não seja gratuito, está muito próximo disso. Muitos consultores financeiros e corretores reconhecem que são mais eficazes atuando como um consultor financeiro, coordenador de atividades ou líder da equipe do que gerenciando ativos reais. Delegar essa tarefa permite que esses profissionais se concentrem na atração, retenção e satisfação dos clientes. Acredito que os escritórios também prefiram essa abordagem em termos de conformidade. Como é comum na indústria, essa tendência continuará até que ocorra uma mudança significativa e o equilíbrio se altere novamente.”

Leia Mais:   A Finra impôs uma multa de US$ 350.000 à Schwab por não revelar adequadamente informações sobre Exchange-Traded Notes.

Kashif Ahmed, presidente da American Private Wealth, afirmou que é essencial simplificar a administração de portfólio para poder focar no aspecto mais abrangente do planejamento financeiro.

Ele afirmou que muitos consultores estão mudando seu foco para oferecer serviços de planejamento financeiro, em vez de se concentrarem apenas na administração de investimentos. Ele também mencionou que, apesar da habilidade dos consultores, eles não são tão eficazes quanto uma entidade especializada na seleção de investimentos, gestão contínua e reequilíbrio. Assim, não há motivos para um consultor individual desempenhar essas funções.

Back to top button