AçõesAnálise de investimentosAnálise de riscoAnálise fundamentalAplicativos financeirosAvaliação de empresasCursos onlineEconomia globalEducação financeiraEmpresasEstratégias de investimentoETFsFerramentas financeirasFinanças pessoaisInvestimento em açõesInvestimentos

A casa aprovou de forma unânime as contas para aumentar o número de investidores certificados.

A Casa Legislativa aprovou por consenso na segunda-feira uma lei que possibilitaria mais investidores a adquirir títulos particulares, ampliando os padrões além da renda e do patrimônio.

A Fair Investment Opportunities for Professional Experts Act abordaria como investidores aptos aqueles que possuem alguma licença específica ou algum patrimônio educacional ou profissional. Por exemplo, corretores e consultores financeiros se qualificariam de acordo com esta lei.

O projeto de lei, semelhante à regra estabelecida pela Comissão de Valores Mobiliários e de Valores Mobiliários no ano de 2020, que expandiu o grupo de investidores autorizados para incluir indivíduos com certas licenças e experiência de trabalho, foi aprovado por um voto de aprovação.

A votação de aprovação da avaliação de definição de investidor credenciado deu a SEC a prerrogativa de decidir quais certificados, designações ou credenciais os investidores têm que possuir para serem autorizados. Além disso, a medida ordena à agência que revisite a definição do investidor credenciado a cada quinquênio.

Somente aqueles que possuem renda ou patrimônio de ao menos US$ 200.000 por ano, excluindo o valor da residência, ou US$ 1 milhão em liquidez, ou possuem credenciais específicas, são capazes de comprar ações não registradas.

A legislação aprovada pela Casa das Contas de Investidores Credenciados na semana passada teve uma aprovação abrangente, com destaque para a ampliação do número de investidores sofisticados.

Os parlamentares de ambos os lados do corredor desejam alterar as normas para qualificar investidores de modo a não centrar-se exclusivamente na fortuna. Estes argumentam que isso possibilitaria a mais investidores a participarem na abertura de negócios de startups, bem como outros empreendimentos em expansão nos mercados privados.

O Rep. French Hill, R-Ark., autor da lei de oportunidades de investimento justo, declarou no chão da Casa antes do voto que “a legislação vigente para os investidores credenciados tende a favorecer os ricos e bem-sucedidos, em detrimento de aqueles que possuem conhecimento da área à qual estão se dedicando, especialmente se forem pobres ou membros de minorias”.

Leia Mais:   O CFTC chamou Tether e Bitfinex para comparecer, enquanto o Bitcoin caiu abaixo de US$ 10.000.

Hill afirmou que os dados da SEC mostram que só 1,3% dos investidores certificados são de ascendência afro-americana, enquanto 2,8% são de origem hispânica.

“É claro que possuir um milhão de dólares não significa que você tenha um completo entendimento das dificuldades do setor privado”, afirmou o Rep. Brad Sherman, D-Calif. “No entanto, não se deve proibir que alguém invista nesses produtos desde que eles estejam cientes dos riscos associados, ainda que não tenham um milhão de dólares.”

O Representante Bill Huizenga, do partido Republicano de Michigan, que promoveu a lei que solicitava à SEC o reexame da definição de investidor credenciado, declarou que a habilidade de participar de uma oferta privada deveria ser determinada pela experiência de indivíduo em vez de seu patrimônio financeiro.

Huizenga declarou que sua lei tem o objetivo de igualar o terreno de jogo. Independente de que cidade esteja, seja Kalamazoo ou Portage, Benton Harbor ou St. Joe, ou Battle Creek ou Springfield, os investidores deverão ser capazes de apoiar pequenos negócios na comunidade local do sudoeste de Michigan ou de qualquer região do país.

Sherman declarou que as leis vigentes possibilitam que um número específico de investidores não certificados invistam em companhias privadas, tais como pizzarias e outras empresas ao longo da Ventura Boulevard na sua área. Ele completou dizendo ser adequado rever o significado do investidor certificado.

Os investimentos não registrados na SEC, que normalmente são denominados colocações privadas, são frequentemente de alto risco, não transparentes e ilíquidos, não satisfazendo os critérios de divulgação dos títulos públicos.

Sherman declarou que a decisão da Câmara de segunda-feira encontrou o ponto certo entre a defesa do investidor e o desenvolvimento de oportunidades de investimento.

Leia Mais:   A Finra impôs uma multa de US$ 350.000 à Schwab por não revelar adequadamente informações sobre Exchange-Traded Notes.

Os republicanos e os democratas devem manter suas crenças peculiares sobre a modificação das normas do investidor certificado. Os republicanos usualmente desejam amenizá-los agressivamente. Os democratas querem uma abordagem cautelosa.

Sherman destacou que “desejamos a proteção dos investidores e que os investimentos sejam feitos por aqueles que possuem a experiência necessária para compreender o risco e entenderem a empresa em que estão aplicando seus recursos”. Ele reafirmou que “não queremos abrir as portas para todos os investidores, permitindo um número ilimitado de pessoas sem conhecimento específico ou atendendo a padrões determinados”.

Não se sabe como os orçamentos podem ser desembolsados no Legislativo dirigido pelos Democratas.

Back to top button